Patologias

Fimose

Fimose
Fimose

Fimose é a dificuldade ou impossibilidade de expor a glande (a cabeça do pênis) que ocorre quando o estreitamento do prepúcio (prega de pele que envolve a glande) impede a passagem. Nos primeiros meses de vida, ocorre uma aderência natural do prepúcio à glande que com o passar do tempo irá se retraindo normalmente. Porém, se até os 5 anos, essa aderência não desaparecer é importante procurar o urologista.

 

Balanite e balanopostite

Balanite e balanopostite
Balanite e balanopostite

A balanite é uma inflamação que afeta a glande, a cabeça do pênis. Enquanto que a balanopostite é a inflamação tanto da glande do pênis quanto do prepúcio. Uma das principais causas para o surgimento da balanite e da balanopostite é a falta de higienização correta na área genital. Por isso as duas enfermidades são mais frequentes em homens com fimose, já que a condição dificulta a higienização.

 

Entre os principais sintomas de balanite e balanopostite, podemos destacar:

  • Inchaço da cabeça do pênis;
  • Pele da cabeça do pênis avermelhada;
  • Coceira intensa no pênis;
  • Pequenas feridas na cabeça do pênis;
  • Pústulas na glande;
  • Aumento da sensibilidade;
  • Odor desagradável e presença de corrimento branco no pênis;
  • Dor ou queimação ao urinar.

 

Infecções Sexualmente Transmissíveis

Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis

Infecções Sexualmente Transmissíveis, ou ISTs são infecções transmitidas principalmente através das relações sexuais. As transmissões ocorrem através de bactérias, vírus e parasitas diferentes por meio do contato sexual, que inclui o sexo vaginal, anal e oral.

De acordo com a OMS, 8 patógenos estão relacionados às maiores incidências de ISTs. Sífilis, Gonorreia, Clamídia e Tricomoníase são as ISTs bacterianas que que apresentam cura.

A Hepatite B, Herpes, HIV e Papilomavírus Humano (HPV) são causadas por vírus, algumas não são curáveis, mas podem ser controladas com o tratamento adequado.

 

Doença de Peyronie

Doença de Peyronie
Doença de Peyronie

A Doença de Peyronie é caracterizada pelo desenvolvimento do tecido cicatricial fibroso dentro do pênis que causa uma curvatura peniana que durante as relações sexuais provoca ereções curvas e dolorosas. Na doença de Peyronie, a curvatura do pênis é considerável e geralmente provoca dor o que pode prejudicar a função sexual.

 

Câncer de próstata

Câncer de próstata
Câncer de próstata

O câncer de próstata tem como principal fator de risco o envelhecimento, pois cerca de 75% de todos os casos dessa doença acomete homens a partir dos 65 anos. Outros fatores de risco da doença incluem ter histórico de doença na família, raça negra, obesidade e sedentarismo.

O câncer de próstata geralmente cresce de forma gradual e não costuma ter sinais e sintomas em sua fase inicial. Por isso, a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de próstata com a realização dos exames de PSA (dosagem do antígeno prostático especifico) e exame de toque retal, que avalia alterações da próstata são tão importantes. O câncer de próstata no estágio mais avançado pode apresentar alguns sinais específicos, como dificuldade de urinar ou aumento da atividade miccional, durante o dia ou à noite.

 

Câncer de bexiga

Câncer de bexiga
Câncer de bexiga

O câncer de bexiga geralmente é mais incidente após os 50 anos de idade e na população branca, além de ser duas vezes mais comum em homens do que mulheres.

A maior parte dos tumores de bexiga são diagnosticados fase inicial, quando o a doença tem tratamento e com grande chance de cura, porém a recidiva desses tumores é frequente.

Na fase inicial o câncer de bexiga pode ser assintomático, porém pode apresentar sintomas como sangramento na urina e eventualmente sintomas como ardência e vontade frequente de urinar.

A principal causa é tabagismo, seguida de exposição a produtos químicos utilizados na fabricação de tintas, borracha, couro, têxteis e produtos de pintura.

 

Câncer de rim

Câncer de rim
Câncer de rim

O câncer de rim representa cerca de 3% dos tumores malignos do adulto. A doença afeta principalmente indivíduos entre 60 e 70 anos, sendo que os homens têm duas vezes mais probabilidade de desenvolver câncer de rim. Geralmente o câncer de rim não apresenta sintomas, porém algumas pessoas podem apresentar sangue na urina que é o primeiro sintoma mais frequente, assim como dor no flanco, perda de peso e febre.

O tabagismo é o principal fator de risco, aumentando em duas vezes a probabilidades de desenvolver câncer de rim. Outros fatores de risco incluem a exposição a produtos químicos tóxicos (por exemplo, amianto, cádmio, curtimento de couro e produtos derivados de petróleo). Pessoas com obesidade, hipertensão arterial e doenças renais, entre elas a insuficiência renal e a doença de von Hippel–Lindau e as que fazem diálise também apresentam maior risco de ter câncer renal.

Geralmente a doença é descoberta acidentalmente durante exames de rotina como a ultrassonografia do abdômen.

 

Câncer de testículo

Câncer de testículo
Câncer de testículo

O câncer de testículo representa 5% de todos os casos de câncer entre os homens. Apesar de raro, a grande preocupação consiste ser a neoplasia maligna mais incidente em homens em idade produtiva entre 15 e 50 anos.

O principal sintoma do câncer de testículo é o aumento do volume testicular ou a presença de nódulo testicular indolor à palpação. Estes sintomas podem mascarar a doença, já que estes sintomas são comuns a outras doenças como as orquiepididimites (inflamação dos testículos e dos epidídimos), hidrocele, torção testicular, etc.

A doença detectada precocemente e trata de forma correta apresenta baixo índice de mortalidade.

 

Câncer de pênis

Câncer de pênis
Câncer de pênis

O desenvolvimento do câncer de pênis está diretamente relacionado a má higiene íntima. Fatores como fimose e infecção pelo papilomavírus humano (HPV) também aumentam o risco de desenvolver

O principal sintoma é a presença de ferida ou úlcera que não cicatriza no pênis. Além desse sintoma podem aparecer: dor, alteração na cor e textura da pele do pênis, lesão semelhante a verrugas que podem ou não ser dolorosas, coceira, erupção avermelhada, inchaço, corrimento persistente e com odor linfonodos inchados na virilha.

O câncer de pênis tem alta taxa de cura quando diagnosticado em estágio inicial. No entanto, mais de 50% dos pacientes demora até um ano após as primeiras lesões para procurar auxílio médico, acarretando complicações da doença.

 

Disfunção erétil

Disfunção erétil
Disfunção erétil

É a incapacidade ou dificuldade de ter ou manter uma ereção em pelo menos 50% das tentativas em ter relações sexuais. Também pode ser caracterizada por uma ereção que não é suficientemente rígida para ter uma penetração, tornando a relação menos satisfatória.

Doenças crônicas, maus hábitos de vida, traumas, uso de alguns medicamentos, diminuição da libido, alterações hormonais ou problemas psicológicos são algumas das causas que podem levar à disfunção erétil, impedindo assim o homem de ter uma relação sexual satisfatória.

 

Estenose de uretra

Estenose de uretra
Estenose de uretra

Estenose de uretra é uma doença urológica em ocorre a obstrução parcial ou total da uretra, tubo que conduz a urina da bexiga até o meio externo. A doença é mais frequente no sexo masculino devido a uretra masculina ser mais longa.

A estenose de uretra é causada pela cicatrização inadequada desse tubo, o que leva a diminuição do diâmetro da uretra e impede o fluxo urinário. Entre as principais situações que podem causar a estenose de uretra estão: trauma, infecções, diminuição da irrigação sanguínea e congênitas.

Com a obstrução da uretra, o paciente pode ter como sintomas o jato urinário fraco e frequência miccional, prolongamento do tempo da micção, espalhamento do jato urinário, incontinência urinária (escapa urina), sangue na urina ou, em casos graves, não conseguir urinar.

 

Hidrocele

Hidrocele
Hidrocele

A hidrocele é o acúmulo de líquido seroso no interior da túnica vaginal do testículo, podendo se unilateral ou bilateral.

Os sintomas da hidrocele incluem o aumento do volume dos testículos, geralmente em um dos lados, porém pode ser bilateral. Costuma não causar dor, porém em hidroceles de maior volume pode haver sintomas de sensação de peso e dor nos testículos ao andar.

 

Varicocele

Varicocele
Varicocele

Varicocele é a dilatação das veias responsáveis por drenar o sangue testicular. Isso acontece devido à incompetência das válvulas venosas, associada ao refluxo venoso. A varicocele geralmente aparece na com a puberdade, entre os 12 a13 anos.

A varicocele é a principal causa tratável de infertilidade masculina, que acomete 15% da população masculina. A condição está presente em aproximadamente 40% dos homens com infertilidade primária (nunca tiveram filhos). Esse número chega até a 80% dos homens com diagnóstico de infertilidade secundária (que já tiveram filhos, mas não consegue engravidar).

Em muitos casos, o homem com varicocele não apresenta nenhum sintoma. Porém, em alguns casos pode haver sensação de peso nos testículos, dor e desconforto no local.

 

Ejaculação precoce

Ejaculação precoce
Ejaculação precoce

A ejaculação precoce é a ejaculação masculina que ocorre muito cedo, geralmente antes, durante ou logo após a penetração. O distúrbio é diferenciado de algo corriqueiro quando o episódio se repete com frequência e em mais da metade das relações sexuais o homem não consegue satisfazer a parceira.

A ejaculação precoce quase sempre está relacionada à ansiedade ou outras causas psicológicas. Em alguns casos, quando a ansiedade é grave, pode-se desenvolver também a disfunção erétil. Algumas doenças neurológicas também podem provocar ejaculação precoce.

 

Hérnia inguinal

Hérnia inguinal
Hérnia inguinal

A hérnia inguinal também chamada hérnia na virilha acontece quando os órgãos do interior do abdome saem por um ponto fraco da parede do músculo abdominal na região da virilha, formando uma tumefação. As hérnias inguinais podem causar dor, sobretudo quando indivíduo faz tosse, se dobra ou pega objetos pesados.

 

Infertilidade masculina

Infertilidade masculina
Infertilidade masculina

Infertilidade masculina, também chamada de fator masculino da infertilidade conjugal, é caracterizada pela impossibilidade de engravidar a parceira após 12 meses de suspensão do método contraceptivo usado pelo casal.

A infertilidade masculina pode ser causada por:

  • Causas idiopáticas:
  • Varicocele que é uma das causas mais frequente de infertilidade masculina
  • Causas genéticas: mais raras, são determinadas por alterações nos
  • Causas hormonais
  • Doenças congênitas como criptorquidia (testículo não descido) e hipospadia (mal posicionamento da uretra).
  • Causas gonadotóxicas como anabolizante, radiação (radioterapia, RX em altas doses), químicos (quimioterapia, solventes orgânicos, pesticidas agrícolas) ou altas temperaturas (fundição industrial, fornos e sauna).
  • Infecciosas como os processo infeccioso ou inflamatório dos testículos, a mais conhecida é a infecção dos testículos pelo vírus da caxumba.

 

Cisto de epidídimo

Cisto de epidídimo
Cisto de epidídimo

Cisto de epidídimo consiste em uma bolsa cheia de líquido com esperma que se forma no epidídimo, um tubo enrolado localizado na parte de trás do testículo que armazena e transporta espermatozoides. Muitas vezes, não apresenta sinais, mas em alguns casos é possível notar uma pequena massa semelhante a um balão de água e sentir sensibilidade e inchaço do testículo, além de outros sintomas.

 

Orquite e epididimite

Orquite e epididimite
Orquite e epididimite

Epididimite

Orquite é a inflamação dos testículos, que pode ser causada por vírus (varicela, citomegalovírus, doença mão-pé-boca, rubéola e caxumba, sendo o mais comum), infecções bacterianas da próstata (prostatite) e do trato urinário, ISTs (clamídia, gonorreia e sífilis), traumas e torção do testículo.

A orquite causa dor e inchaço nos testículos que vai de leve a grave. Os sintomas geralmente iniciam em um testículo, mas pode se espalhar para o outro. Outros sintomas incluem: fadiga, febre, calafrios, dores de cabeça, dor muscular, náusea, secreção com pus, sêmen e urina com sangue e dor nas relações sexuais.

Epididimite

Epididimite é a inflamação do epidídimo, um pequeno duto diretamente ligado aos testículos. Geralmente é originada de alguma infecção sexualmente transmissível de origem bacteriana, mas pode ser causada por infecções como tuberculose, prostatite, infecção urinária e outras, além de causas não sexuais, como traumas. Podem estar presentes sintomas como febre, inchaço no escroto, dor ao urinar, presença de sangue no sêmen e sensação de pressão nos testículos.

 

Hiperplasia benigna da próstata

Hiperplasia benigna da próstata
Hiperplasia benigna da próstata

Hiperplasia benigna da próstata é o aumento do volume da glândula da próstata, uma das doenças mais frequentes nos homens principalmente após os 40 anos.

A Hiperplasia benigna da próstata pode causar alguns desconfortos relacionados ao funcionamento do sistema urinário, devido a obstrução que ela causa na uretra dificultando a passagem da urina. São eles:

  • Demorar para iniciar o jato de urina;
  • Jato urinário mais fraco;
  • Necessidade constante de urinar;
  • Aumento da frequência urinária à noite;
  • Incapacidade de urinar.

 

Prostatite

Prostatite
Prostatite

Prostatite é a inflamação ou infecção da próstata que pode ter origem de uma infecção bacteriana, uretrite (inflamação da uretra) ou doença sexualmente transmissível (DST), como gonorreia ou chlamydia.

No prostatite aguda aparece repentinamente e causa inchaço da próstata e compressão do canal uretral, assim como calafrios, febre, ardor intenso ao urinar e até incapacidade de esvaziar a bexiga. A prostatite crônica é caracterizada por sintomas mais leve e de difícil tratamento.

 

Cistite

Cistite
Cistite

A cistite, também chamada de infecção urinária baixa, é uma doença inflamatória ou infecciosa da bexiga. O principal fator causal é a colonização da bexiga por bactérias presentes em nosso intestino, sendo a principal delas a Escherichia coli.

Afeta mais mulheres do que homens por causa das características anatômicas da mulher que aumenta a predisposição a cistite.

Alguns sinais e sintomas são: febre baixa, vontade frequente em urinar, diminuição da quantidade de urina eliminada, ardência ou queimação ao urinar.

 

Bexiga neurogênica

Bexiga neurogênica
Bexiga neurogênica

A bexiga neurogênica consiste na perda do funcionamento normal da bexiga devido a lesões de parte do sistema nervoso. A bexiga neurogênica pode ser originada por alguma alteração que afete o cérebro, a medula espinhal ou os nervos que se dirigem para a bexiga como um trauma ou doenças como doença de Parkinson, esclerose múltipla e acidente vascular cerebral.

Quando ocorre prejuízo ou interrupção da comunicação entre o sistema nervoso e a bexiga, a capacidade da bexiga de encher e esvaziar de maneira coordenada é afetada, o que pode causar incontinência urinária.

 

Bexiga hiperativa

Bexiga hiperativa
Bexiga hiperativa

A bexiga hiperativa é quando o indivíduo não consegue controlar o momento de urinar e a quantidade de urina. De forma inesperada, pode haver escapes de urina em pouca ou grande quantidade, além de aumento da frequência urinária e urgência ao urinar.

A bexiga hiperativa não é uma doença comum ao envelhecimento e está relacionada a diversos fatores como gravidez e parto, obesidade, fraqueza nos músculos pélvicos, diabetes, câncer ou pedras na bexiga, distúrbios neurológicos e até certos medicamentos.

 

Infecção urinária

Infecção urinária
Infecção urinária

Infecção urinária é um quadro infeccioso que ocorre em qualquer parte do trato urinário causado por microrganismos patogênicos, normalmente bactérias, sendo a bactéria Escherichia coli a principal causadora. Como as mulheres têm a uretra mais curta facilitando a entrada de bactérias no trato urinário, as mulheres são mais acometidas pela infecção urinária do que os homens. A condição afeta com frequência a bexiga ou a uretra, porém em casos mais graves, pode comprometer os rins.

A infecção urinária apresenta como sintomas:

  • Dor e ardência ao urinar;
  • Aumento da frequência de micção;
  • Dor supra púbica.

Em casos de progressão da doença, pode estar presentes sintomas como: odor desagradável, esvaziamento incompleto da bexiga, constipação, dor lombar, urina com sangue, febre e mal estar geral.

 

Incontinência urinária

Incontinência urinária
Incontinência urinária

Incontinência urinária é a perda involuntária da urina pela uretra. A condição é mais frequente no sexo feminino, podendo acometer tanto mulheres de 50 a 60 anos quanto as mais jovens.

A eliminação da urina pode ser comprometida nas seguintes situações:

  • Comprometimento da musculatura dos esfíncteres ou do assoalho pélvico;
  • Gravidez e parto;
  • Tumores malignos e benignos;
  • Doenças que provocam a compressão da bexiga;
  • Obesidade;
  • Doenças que causam pressão abdominal;
  • Bexigas hiperativas;
  • Procedimentos cirúrgicos ou tratamentos que lesam os nervos do esfíncter masculino.

 

Cisto renal

Cisto renal
Cisto renal

Cistos renal é uma lesão com conteúdo líquido que pode surgir no rim. Os cistos renais são mais frequentes em pessoas mais velhas e é mais comum em homens. Podem estar relacionados a doenças mais graves, mas geralmente são cistos simples, que não causam sintomas e não trazem nenhuma repercussão para a saúde. Normalmente os cistos são encontrados por acaso, ao fazer exames de imagem de rotina como exames de ultrassonografia, tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

 

Cálculos renais

Cálculos renais
Cálculos renais

Os cálculos também conhecidos como pedras nos rins são massas duras que se formam no trato urinário e podem causar dor, hemorragia ou infecção ou bloqueio do fluxo da urina.

As principais causas da formação dos cálculos são a saturação excessiva de sais na urina ou falta de inibidores no processo de formação, como o citrato.

Os cálculos, especialmente os bem pequenos, podem não causar quaisquer sintomas. Porém, ao obstruem qualquer parte do rim que impede a passagem da urina, podem causar dor nas costas ou cólica renal. Outros sintomas comuns são: náusea e vômito, sudorese e sangue na urina.

 

Hipospádia

28-Hipospádia Urologista Aparecida de Goiânia 1
28-Hipospádia Urologista Aparecida de Goiânia 1

A hipospádia é um defeito congênita em que se caracteriza por uma alteração na formação do canal da uretra, acarretando em uma abertura do orifício uretral numa posição anormal, ou seja, a abertura que não se localiza na ponta da glande do pênis. A doença também pode vir acompanhada de curvatura peniana e excesso de pele dorsalmente, como um capuz (capuchão), causando dificuldade de urinar de forma adequada.

 

Criptorquidia

Criptorquidia
Criptorquidia

A criptorquidia, conhecida como “testículos não descidos”, é ausência de um ou dois testículos no saco escrotal. É uma alteração muito comum, com 45 % de incidência nos bebês prematuros e 5 % nas crianças a termo.

A condição acontece quando um (unilateral) ou os dois testículos (bilateral) são formados dentro do abdômen durante a vida intrauterina e não conseguem completar seu caminho até o saco escrotal. A criptorquidia é uma das anomalias genitais mais comuns entre os homens e pode comprometer a viabilidade da função germinativa se não tratada.

 

Hidronefrose

Hidronefrose
Hidronefrose

A hidronefrose é a dilatação renal que ocorre quando existe algum tipo de obstrução no canal da urina, que impede que a urina se desloque, causando o acúmulo de urina.

A maioria dos casos de Hidronefrose é causada por outras doenças renais como tumores nos rins ou cálculo renal, porém outras doenças podem aumentar o risco de desencadear a hidronefrose.

Dependendo do grau de dilatação dos rins, a hidronefrose pode não ter sintomas. Nos casos que o edema já é significativo, podem surgir sintomas leves como aumento da frequência de urina e vontade repentina de urinar. Com o aumento do edema, o paciente pode apresentar dores no abdômen, na região lombar e nas costas.

 

Estenose de JUP

Estenose de JUP
Estenose de JUP

A estenose de JUP (Junção Uretero-Piélica) é o estreitamento do canal que une o rim à bexiga. Com isso ocorre a obstrução do fluxo de urina que se acumula no rim. É uma condição rara e geralmente congênita.

Os pacientes podem apresentar os sintomas de desconforto abdominal ou lombar, sangue na urina, hipertensão arterial, infecção urinária, infecção renal recorrente e cálculos renais.

 

Refluxo vesicoureteral

Refluxo vesicoureteral
Refluxo vesicoureteral

Refluxo vesicoureteral é quando ocorre o refluxo da urina da bexiga para o ureter e, às vezes, dependendo da gravidade a urina também retorna para dentro do sistema coletor renal. O refluxo tem como principal sintoma a infecção do trato urinário, que frequentemente é recorrente. O Refluxo vesicoureteral é fator de risco para o desenvolvimento de cicatrizes renais e dano renal permanente.

 

Enurese

Enurese
Enurese

Enurese é a perda urinária involuntária nas crianças, principalmente naquelas que já possuem idade de controlar a vontade de urinar. O controle miccional geralmente ocorre por volta dos 3 anos.

 

Basicamente dois tipos de enurese podem ocorrer numa criança:

Enurese primária – ocorre quando nunca houve controle urinário noturno pela criança.

Enurese secundária – ocorre quando a criança conseguiu controlar a urina à noite, mas por algum evento que alterou a rotina como (divórcio dos pais, nascimento de irmãos, mudança de escola, mudança de cidade, por exemplo) a criança volta a urinar na cama.

 

Adenoma adrenal

Adenoma adrenal
Adenoma adrenal

O adenoma adrenal é um tumor benigno localizado no córtex adrenal que fica acima do rim. Afeta mais frequente o adulto, principalmente o idoso.

A maior parte dos adenomas adrenais não causam qualquer sintoma e não secreta hormônio. Contudo, os adenomas podem ser funcionantes, e, neste caso secretam apenas um hormônio: aldosterona, cortisol, esteroides sexuais ou catecolaminas. Os sintomas são específicos e correspondem ao excesso do hormônio produzido.

 

Tumor/câncer adrenal

Tumor/câncer adrenal
Tumor/câncer adrenal

O tumor adrenal é tumor maligno originário do córtex da própria adrenal, localizada na extremidade superior dos rins. Os sinais mais comuns do câncer de adrenal são: dor no tórax, perda de peso, hematúria, fadiga e febre. Em 70% dos casos pode haver aumento de cortisol, que causa acne, perda de peso dos membros e acúmulo de gordura abdominal.

 

Dr. Breiner Ferro

CRM: 18039   RQE: 13848/ 13464

  • Urologista
  • Residência Médica em Cirurgia Geral pela Universidade de Brasília;
  • Especialista em Urologia pelo Hospital Geral de Goiânia;
  • Laparoscopia urológica para residentes no IRCAD América Latina/SBU;
  • Membro titular da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU).

 

Atendimento: 

Hospital São Silvestre

Av. das Nações Nº 616, Centro, Aparecida de Goiânia, Go.

Telefone: (62) 3283-3201 / 3230-2000 / 3283-2419

WhatsApp: (62) 3283-2419

Botão Voltar ao topo
Ligue: (62) 3283-2419